Conteúdo




julho 3, 2016

Essa semana o programa Conexão Futura, do Canal Futura, recebeu Eduarda La Rocque para falar sobre o 1º Fórum de Sustentabilidade do Rio. A economista deu detalhes sobre o conceito, funcionamento e objetivos do evento, que será um espaço permanente de aproximação entre os diversos setores da sociedade.

Assista a entrevista completa abaixo.



junho 30, 2016

 

4153424754_cb79bd4393_o

 

A rede URB.im é uma comunidade global que trabalha por cidades justas e inclusivas. É uma rede composta por profissionais de 23 cidades e em todo o mundo para estabelecer uma comunidade internacional de prática e aprendizagem, compartilhamento de ideias e experiências, a fim de inovar, replicar e dimensionar soluções para o problema da pobreza urbana. URB.im é um projeto da Dallant Netwroks e da Ford Foundation.

Eduarda LaRocque, fundadora do Pacto do Rio e Presidente do Cariocas em Ação, concedeu entrevista à Andrea Azambuja, representante do projeto no Rio de Janeiro.

Eduarda La Rocque e seu pacto por um Rio melhor

Eduarda La Rocque é a idealizadora do Pacto do Rio, uma parceria participativa, de gestão descentralizada, sem hierarquias e orgânica, que reúne seis segmentos da sociedade (público, privado, pesquisas, terceiro setor, organismos internacionais e população) para promover o desenvolvimento sustentável do Rio de Janeiro. Um projeto complexo? Não tanto para ela, que já foi presidente do Instituto Pereira Passos, centro de referência de dados, Secretária da Fazenda da Prefeitura, assessora da diretoria do BNDES e sócia do banco BBM, entre inúmeros destaques em seu extenso e admirável currículo.

Cidadã honorária da capital fluminense, a economista especializada em Gestão de Riscos, na linha de frente do Fórum de Sustentabilidade do Rio, conversou com o URB.im sobre desenvolvimento sustentável no município.


Como construir um Rio de Janeiro mais igualitário?

Enfrentando seu maior desafio, a desigualdade de oportunidades, através do comprometimento dos órgãos públicos com metas de redução de desigualdades territoriais, baseadas em indicadores calculados de forma independente pelo setor de pesquisa. É essencial avaliar as ações realizadas para dimensionar sua eficácia. Um exemplo disso é o IPS, o Índice de Progresso Social, divulgado a partir de parceria que construí entre o Instituto Pereira Passos e a Rede de Progresso Social.

Qual é o maior desafio que a capital enfrenta em relação ao planejamento urbano?

Gestão da informação e integração metropolitana; as ações se anulam ao invés de se retroalimentarem, e isto deriva da inexistência de planejamentos integrados e de uma ineficiente gestão da informação, além da tradicional falta de vontade política.

A administração pública oferece bons mecanismos de participação popular?

Oferece bons instrumentos, mas infelizmente eles não são acessíveis a todas as camadas da sociedade e nem sempre funcionam. Ferramentas de acesso devem ser criadas e mantidas, alimentadas, e isso nem sempre acontece – mais do que criar os sistemas de participação é preciso querer que esta participação aconteça.

O Pacto propõe a articulação de agentes distintos – qual deve ser o primeiro passo para integrá-los e coordenar seus esforços?

Por meio da celebração de acordos críveis e monitoráveis de forma simples pela população. O que vamos apresentar no Forum é apenas o começo, a base a partir da qual novos acordos podem ser feitos, formando uma rede orgânica, que se retroalimenta. Neste caso, partimos de um território, Manguinhos, um objetivo, aumentar as oportunidades especialmente para os jovens – os acordos são feitos com esse objetivo. Depois, esta experiência é replicada e novos acordos feitos, sucessivamente, de baixo pra cima. Num outro nível, de cima para baixo, o Forum traz novos parceiros, e o Centro de Resiliência coordena os compromissos que devem ser monitorados pela população por meio de um portal. Estamos construindo um pequeno sistema que acreditamos ser capaz de canalizar um modo integrado de governança.

No site do projeto, a concepção de rede de Don Tapscott e Anthony D. Williams é citada como inspiração. Qual o principal trunfo desta noção?

A implementaçao de redes gera um “jogo de soma positiva”, quer dizer, a conexão de forças gera muito “valor compartilhado”, o que produz “prosperidade, mesmo sem crescimento econômico”. O que quero dizer é que, mesmo sem dinheiro adicional, é possível gerar impactos positivos a partir de uma maior integração e eficiência nas ações, tendo sempre como base informações qualificadas e compartilhadas.

Em tantos anos trabalhando para a redução da desigualdade social, qual foi a lição mais valiosa que você aprendeu?

Que o mais importante é conseguir escolher os parceiros e pessoas certas na implementação das redes integradoras de impacto social. É preciso que as pessoas estejam alinhadas por principios e valores de fato, ou a rede não acontece, ou não se sustenta.

Permalink to this discussion: http://urb.im/c1606
Permalink to this post: http://urb.im/ca1606rjp